segunda-feira, 13 de julho de 2015

Vila de São Jorge

Um dos lugares que mais tinha saudades quando estava na Alemanha era a Chapada dos Veadeiros. Nós brasilienses estamos acostumados a reclamar da falta de praias e da seca, mas esquecemos às vezes de agradecer por este presente que temos, tão perto. Eu era assídua visitante da chapada nos meus tempos de faculdade, nada mais comum. Bem calanga do cerrado.

Mas estava há cinco anos sem ir. Cinco!! Então, assim que retornei, tratei de combinar o mais rápido possível uma visita.

Fomos eu e minha irmã. Aproveitamos os últimos dias de baixa temporada e com as férias, pudemos ir fora do fim de semana e pegar uma super tranquilidade na cidade. Escolhemos a Pousada Baguá. Era aquele lugar que a gente sempre quis conhecer, mas não tínhamos meios. Dessa vez resolvemos abrir a mão.

A estrada até a Vila de São Jorge está ótima. A velha guarda deve lembrar que antes a pavimentação só chegava até Alto Paraíso, mas agora isso tudo está resolvido. A pousada é tudo que esperávamos: confortáveis instalações e staff bem treinado e cordial. Ficamos no Bangalô Baguá, o melhor tipo, pois se é pra abrir a mão, façamos o negócio direito! Tinha também a Amora, uma labradora preta fofura que nos acompanhava na nossa ioga matinal.

No primeiro dia, fomos ao Vale da Lua rapidamente. Tínhamos somente algumas horinhas e não queríamos pegar trilhas muito longas.


Renovando energias no Vale da Lua



Reservamos o dia seguinte para irmos ao Parque Nacional, pois teríamos mais tempo para percorrer os 10,5km da trilha dos canyons. Eu, claro, escolho os piores momentos para me acidentar. Estávamos sozinhas no meio do nada, já 3km distantes do acesso do parque, quando eu dou de cara numa árvore. Sim, dei com a testa numa árvore baixa e a pancada foi tão grande que eu caí zonza para trás e lá fiquei por uns bons minutos. Por sorte, logo retomei a energia e nada de mais grave aconteceu. Só trouxe de recordação um galo na cabeça que, tão satisfeito com o novo ninho, resolveu ficar por lá uma semana inteira! Nos rendeu boas risadas esse tombo.

É sempre assim quando estou com a minha irmã: tombos homéricos que serão lembrados em todos os churrascos e aniversários em família. A sister adora essa irmã atrapalhada.

No dia seguinte, já recuperadas das subidas e descidas, fizemos o check out do nosso bangalô lindão e fomos à Cachoeira São Bento. Essa cachoeira é ótima para ser visitada na volta para casa, pois o acesso a pé tem só 300m de distância e fica na volta de São Jorge para Brasília, com uma entrada pela estrada mesmo. Fica também bem perto de Alto Paraíso, para quem tiver hospedado por lá.

Assim terminamos a nossa pocket trip, com muito Legião Urbana tocando no carro, muita terra nos nossos tênis e a energia renovada para os próximos tempos!



Nenhum comentário:

Postar um comentário